Crises que mostram quem somos

Ainda que pareça contraditório, uma “queda emocional” tem, com frequência, uma face positiva. Pode ser a oportunidade para a “purificação” de formas de estar e o momento para o reencontro de equilíbrios perdidos.

A maioria de nós já teve a experiência de ir “abafando” as emoções por um período de tempo demasiado longo e, quando finalmente se exteriorizam, temos algo parecido com uma explosão. É como o copo que vai enchendo e, num momento imprevisível, uma simples gota de água faz transbordar tudo.

Nesse momento, somos inundados por sentimentos dominadores que percorrem o nosso corpo e a nossa mente e parece que nos consomem inteiramente. A maior parte das vezes, somos apanhados de surpresa, essas emoções podem-se desencadear nos mais variados contextos: enquanto conduzimos, no trabalho, a assistir a um filme, num convívio social, num diálogo com a pessoa com quem vivemos e tantas outras. De repente temos um sentimento de tanta coisa que acumulámos, ou a perceção daquilo que nos recusávamos a ver, durante tanto tempo.

Neste aspeto, esse momento de crise pode ser muito positivo. A quantidade de energia que se liberta, nesse instante, pode desencadear a força necessária para muitas ações. Num momento destes, pode haver uma consciência e uma visão completamente diferente da realidade que nos cerca, pode haver uma revalorização do Ser que somos, pode haver uma inspiração para a abertura de novos horizontes, para uma lufada de ar fresco na nossa vida. Um momento de crise profunda pode ser a alavanca que vai dar força a uma transformação radical no relacionamento que temos ou no local onde trabalhamos, por exemplo.

Quando se encontra num pico emocional, é importante permitir que isso aconteça, em vez de combater ou tentar camuflar. Num momento desses é obrigatório dar tempo e espaço para parar. Em vez de ficar desorientado, perdido, a pedir ajuda a amigos e familiares, ou a esconder o seu estado emocional, é preferível aproveitar a oportunidade para serenar e respirar. É importante dar ao sistema emocional uma atenção muito necessária. É essencial libertar as emoções reprimidas dentro de si, para que o equilíbrio se restabeleça no seu corpo e na sua mente.

montes e vales
Numa segunda fase, também é o momento de fazer um balanço sério e comprometido do que tem sido a sua vida. Pode ser muito bom ter um amigo de confiança para conversar ou um terapeuta com quem possa “abrir a alma”. Escrever um diário também pode ser uma ótima maneira de reconhecer, ordenar e dar sentido aos seus pensamentos e emoções. Para quem gosta, a meditação pode ajudar a respirar, a descontrair e a abrir caminhos para planos superiores, donde é possível ter uma visão transcendente sobre os problemas que causam angústia.

Parar, dar espaço interior, entender as raízes da crise que se está a atravessar, fará emergir a energia tão necessárias para tomar as decisões que se impõem e restabelecer equilíbrios essenciais.

Uma crise pode mostrar, verdadeiramente, o nosso valor, quem somos, a nossa força e a nossa determinação. E isso é muito positivo, em nome da vida que nos anima e da Luz que dá sentido à nossa existência.

espiral